Home / Ficção / 5 Resoluções de Ano Novo para Escritores

5 Resoluções de Ano Novo para Escritores

Ano Novo é um momento para refletir sobre o ano que passou, enquanto pensamos sobre as metas, desejos e esperanças para o novo ano que vem pela frente. O que isso significa para seus objetivos de escrita? Talvez 2015 seja o ano em que você vai terminar o seu romance. Talvez seja o ano de se comprometer com um hábito escrita sustentável. Ou talvez seja o ano em que será publicado.

Para começar bem o Ano Novo, aqui estão cinco resoluções que você pode fazer para melhorar a sua escrita, o foco, e alcançar seus objetivos de publicação. Escolha um para começar, ou mergulhe em todos os cinco. O resultado será o melhor ano de escrita que você já teve.

1. Eu resolvo … conseguir tempo para a escrita.
Escritores ouvem isso o tempo todo: Se você quer resultados, você tem que sentar a bunda da cadeira e só … escrever. Mas não é assim tão simples, não é? A maioria de nós têm empregos, filhos, tarefas e outros interesses que tiram o nosso tempo de escrita, e há apenas 24 horas do dia. E a maioria de nós também precisa dormir.

Mas há sempre tempo para escrever. As desculpas são fáceis de inventar (e há muitas responsabilidades), mas a maioria de nós, tem pelo menos uma hora de tempo em silêncio todo dia, para se dedicar a escrita. Pense nisso desta maneira: Se você é capaz de escrever até 500 palavras em uma hora, e você escreve uma hora por dia, você vai ter escrito cerca de 15.000 palavras em um mês. E, mesmo que apenas 50% dessas palavras são utilizáveis, se você manter o hábito por um ano, você vai ter escrito 90.000 palavras. E isso, meu amigo, é um romance.

E não pense que o tempo escrevendo significa apenas digitando palavras em um documento do Word em branco. Delinear, pesquisar e fazer exercícios de escrita também são ótimas maneiras de usar o seu tempo de escrita, porque eles estão te movendo você para seus objetivos.

2. Eu resolvo … abraçar o meu estilo de escrita pessoal.
Esse debate dura anos: planejar x escrever sem edição.

Não importa qual deles você seja. O que importa é você abraçar plenamente o seu método de escrita. Há mérito de ambos os estilos, e há armadilhas, também. Conhecer os prós e contras de ambos os campos de pensamento vai ajudar a sua escrita. (E se você ainda não decidiu se você é mais um planejador ou um não-planejador, encorajo-os a experimentar ambos os métodos e ver qual você prefere.

Outliners são muitas vezes mais organizados, mas suas estruturas rígidas, por vezes, ficam no caminho de lampejos de criatividade. Suas obras muitas vezes precisam de menos edição ou trabalho estrutural (mas não sempre!). E eles tendem a “saber onde eles vão” desde a primeira à última página.

Pantsers são muito mais livre em sua metodologia de escrita, preferindo criar enquanto vão escrevendo, ao invés de aderir um esquema rigoroso. Eles costumam encontrar surpresas quando escrevem, e também tendem a sentir-se menos inclinados a “manter um plano” … porque eles não têm necessariamente um. Suas obras, por vezes, sofrem de estrutura, ou caminham em lugares que eles não conhecem, mas também são muitas vezes incrivelmente inovadoras e criativas.

Eu vou dizer outra vez: não há nada de errado em ser tanto um Pantser ou um Outliner. Ambos vão terminar o trabalho. Qualquer que você seja, esteja ciente de ambas as vantagens e desvantagens de seu método.

3. Eu resolvo … auto-editar enquanto escrevo.
Não confunda auto-edição com aquela vozinha de dúvida na sua cabeça que grita “O que diabos você está fazendo?!”, “Não há nenhuma maneira viável de funcionar!”. Faça um favor e silencie essa voz agora.

Auto-edição é diferente. É um método de revisão enquanto você escreve, a fim de produzir um manuscrito mais limpo que requer menos revisão no final. Ela impede questões estruturais maiores, mais tarde, bem como questões de caracterização e enredo. Enquanto isso não retardar sua escrita, o resultado é uma primeira versão melhor e mais clara que vai ter menos problemas para resolver durante a revisão.

4. Eu resolvo … pisar fora da minha zona de conforto.
Alguns de nós somos aspirantes a escritores de ficção e romancistas. Outros são memorialistas. Alguns são freelancers. Outros são uma combinação de todos eles, em graus variados. Mas todos nós temos uma zona de conforto, e se ficarmos dentro dela muito tempo, corremos o risco de estagnação.

Então resolvemos pisar fora de nossa zona de conforto. Fazer experiência com estilos e vozes que você não está acostumado. Emular autores que vocês normalmente não leem. Leia livros que você normalmente não pegaria da prateleira. Se você é estritamente um escritor de ficção, artigos de ciências e interesses especiais podem proporcionar grande forragem para novas histórias. Ou, se você é um escritor de não-ficção, estude a estrutura, voz e ritmo, tudo o que vai ajudá-lo a escrever peças concisas e com tons distintos.

5. Eu resolvo … me chamar escritor.
Esta pode ser a resolução mais importante que você vai fazer para 2015. Você pode considerar-se um escritor; ou não. Mas a escrita não é uma viagem curta, pelo menos não para a maioria de nós. É uma vida de trabalho. É muitas vezes depende de sangue, suor e lágrimas. É preciso uma quantidade enorme de esforço para colher frutos.

Comece a chamar-se um escritor. Em seguida, pergunte-se porquê. Reconhecer o seu status de escritor é uma coisa; vivê-lo é outra.


Temos a sorte. Muita sorte. Somos escritores.

Às vezes isso pode parecer mais uma maldição do que uma bênção. Para um estranho isso pode parecer um passatempo, ou talvez uma ilusão.

Mas se é assim que eles vêem você, eles não estão prestando atenção suficiente. Se você é um escritor – e você é, se você realmente escreve – você já está vivendo o sonho. Porque a recompensa primária da escrita vem de dentro, e você não precisa ter o livro publicado ou vende-lo.

O que quer que nós escrevamos, estamos alcançando. Estamos declarando que não estamos sozinhos neste planeta, e que temos algo a compartilhar, algo a dizer. Nossa escrita nos faz sobreviver, mesmo que ninguém nunca leia uma palavra.

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Sobre Carolina

Carolina
Apaixonada por livros, estudante de Letras e escritora em treinamento.

Check Also

cena-de-no-coracao-do-mar-1449022541269_956x500

A razão para escolher um protagonista

Na maior parte do tempo, os escritores não escolhem um protagonista, mas o protagonista nos ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Menu Title