Home / Ficção / Erros Mais Comuns: Confundir os Leitores com Causa e Efeito Pobres

Erros Mais Comuns: Confundir os Leitores com Causa e Efeito Pobres

Como os criadores de mundos das histórias, autores são privilegiados com uma certa quantidade de informação privilegiada. Nós quase sempre queremos saber o que vai acontecer com os personagens antes de um evento realmente ocorrer. Os leitores e o personagem principal podem não ter visto o gancho de esquerda que vem do antagonista, mas nós, autores vimos o bandido se esgueirar até o protagonista muito antes de suas ações manifestaram-se na página. Por causa desta informação interna, é muito fácil para nós arriscar confundir os leitores, mostrando o efeito de uma ação, antes de mostrar a causa em si, tal como no exemplo a seguir:

Cora abriu a janela para gritar com seu filho. Ele estava ao lado do hidrante no outro lado d rua, mesmo depois de ela lhe disse um milhão de vezes para ficar no quintal.

No início desse parágrafo, o leitor não tem ideia de por que Cora está gritando. Eles não sabem o seu filho está do outro lado da rua, nem que Cora lhe tinha instruído a ficar no quintal. Aqui está um exemplo ainda mais sutil de transposição:

Cora saltou e virou quando o hidrante explodiu.

O leitor vê Cora saltando, mas ele não tem ideia do por que ela pulou. À primeira vista, isso pode parecer um problema pequeno. Afinal de contas, o leitor só tem de ler até o final da frase para descobrir por que Cora reagiu daquela maneira. Mas, ao transpor os eventos, mesmo que momentaneamente, você está bloqueando a visão do leitor da história. Em seu artigo “3 Secrets to Great Storytelling” (Writer’s Digest, January 2011), o autor de best-sellers de suspense Steven James explica:

Como um escritor de ficção, você quer que seu leitor esteja sempre emocionalmente presente na história. Mas quando os leitores são forçados a adivinhar por que algo aconteceu (ou não aconteceu), mesmo que por apenas uma fração de segundo, isso faz com que eles se separem intelectualmente e se distanciem da história. Ao invés de permanecer presente ao lado dos personagens, eles vão começar a analisar ou questionar a progressão do enredo. E você definitivamente não quer isso.

Muitas vezes, os escritores mostram o efeito antes da causa por simples negligência. Porque nós sabemos o que aconteceu, o lapso na linearidade não apresenta qualquer confusão para nós. No entanto, alguns autores transpõe propositadamente causa e efeito em uma tentativa equivocada de criar suspense:

Elliot olhou em choque. Isso não poderia estar acontecendo. Se ao menos ele soubesse, ele poderia ter evitado isso. Com o coração acelerado, ele afundou no meio-fio. Na frente dele, carros da polícia cercavam o carro amassado do seu irmão.

Esta é uma técnica que funciona apenas em alguns poucos casos raros (começos capítulo, ocasionalmente, é um deles). Mas, mais frequentemente, o resultado é a frustração do leitor com a sua recusa em compartilhar a informação que o personagem está recebendo. Se você fortalecer a narrativa de sua história, mostrando uma progressão lógica de causa e efeito, você vai acabar com uma prosa enxuta, reações de personagens mais honestas, e os leitores mais envolvidos.

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Sobre Carolina

Carolina
Apaixonada por livros, estudante de Letras e escritora em treinamento.

Check Also

Little-Men-Tommy-Banks-768x509

8 dicas para escrever personagens crianças

Com sua mistura fascinante de inocência, estado de alerta, egoísmo, e idealismo, personagens infantis pode ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Menu Title