Home / Ficção / Criando Personagens – Eneagrama

Criando Personagens – Eneagrama

Comecei a ler o livro “The Mythic Guide to Characters – Writing Characters Who Enchant and Inspire” de Antonio del Drago e achei muita coisa interessante.
Ele propõe, para criar personagens coerentes e tridimensionais o uso de 3 camadas:
– 1a: A mais profunda é a mente inconsciente, que forma as bases das ações e motivações
– 2a: Como o personagem se relaciona com o mundo
– 3a: Qual o papel dele na história

Hoje eu vou falar sobre a primeira camada, o inconsciente.
O inconsciente leva o personagem a reagir segundo um padrão (na maioria das vezes), especialmente quando sobre pressão. Definir um padrão para os seus personagens é importante manter a coerência do seu comportamento.
A sugestão de del Drago é usar a teoria psicológica do eneagrama. Essa teoria define 9 tipo de comportamento básicos que podem te ajudar a guiar seu personagem.
Segue a lista dos tipos:
1 – O Perfeccionista
Ele tende a levar a moral e os ideais muito a sério. Procura fazer o que é certo a qualquer custo. E esse constante esforço para fazer o certo pode causar atritos com outras pessoas. Ele pode se ressentir com pessoas que não tem o mesmo ideal que o dele.
Exemplo: “Harry Potter” da série Harry Potter, de J. K. Rowling

2 – O Doador
Esse tipo de personalidade quer ajudar os outros. Ele tem grande empatia e uma ânsia por ajudar as pessoas. A necessidade de ajudar e salvar as pessoas pode se tornar obsessiva. Ele precisa que precisem dele.
Exemplo: “Samwise Gamgee” de Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien

3 – O Empreendedor
Esses indivíduos querem ser bem sucedidos em tudo. Tem uma atitude que os leva ao sucesso, mas também pode levar a arrogância. O desejo de sucesso algumas vezes pode levar os empreendedores a comprometer sua moral. Em alguns casos eles podem achar que os fins justificam os meios.
Exemplo: “Vito Corleone” de O Poderoso Chefão, de Mario Puzo

4 – O Romântico
São pessoas extremamente apaixonadas, e geralmente criativos e individualistas. Eles também tem altos graus de empatia. Algumas vezes podem ser muito emocionais, o que pode torná-los simpáticos quando estão felizes, e quase intoleráveis quando estão tristes.
Exemplo: “Dorothy” de O Mágico de Oz, de L. Frank Baum

5 – O Observador
São introvertidos que gostam de analisar todas as situações e procurar uma forma lógica de resolver os problemas, sem pedir ajuda para outros. Podem parecer desconectados ou distraídos, até mesmo eremitas, mas isso é um erro: observadores estão cientes de tudo a sua volta, eles só não costumam se interessar por ser parte do mundo.
Exemplo: “Hannibal Lecter” de Dragão Vermelho, de Thomas Harris

6 – O Questionador
São escrupulosos em relação a segurança. Eles querem ter certeza de que o curso de ação é seguro antes de tomá-los. Algumas vezes são a voz da razão do grupo, e em outros casos podem parecer paranoicos ou covardes.
Exemplo:”Ian Malcolm” de Jurassic Park, de Michael Crichton

7 – O Aventureiro
Essas pessoas não conseguem sentar por muito tempo. Aventureiros querem ver o mundo e descobrir as experiências que ele oferece. Sua atitude enérgica pode ser agradável, mas podem ser impulsivos e imprudentes.
Exemplos: “Tom Sawyer” e “Huckleberry Finn” dos romances de mesmo nome, de Mark Twain

8 – O Protetor
Querem estabilidade e controle do mundo a sua volta. Eles desejam fazer tudo para manter a ordem. Por isso eles costumam ser boas autoridades e líderes. As vezes são super zelosos e podem ficar frustrados quando algo sai do controle. Podem se tornar obsessivos pelo próprio poder, para impor a estabilidade que desejam.
Exemplo: “Gandalf” de Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien

9 – O Pacificador
Esse tipo de pessoa sempre procura fazer as coisas facilmente. Eles detestam conflito e desejam que todos convivam bem. Podem ser uma presença calma e excelente mediadores. Em outras vezes sua atitude relaxada pode parecer preguiçosa e covarde.
Exemplo: “Peeta” de Jogos Vorazes, de Suzanne Collins

Nenhuma dessas personalidades é necessariamente boa ou má, melhor protagonista ou antagonista. Todas podem se encaixar nos diferentes papéis da história.
No próximo post veremos a segunda camada.

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Sobre Carolina

Carolina
Apaixonada por livros, estudante de Letras e escritora em treinamento.

Check Also

hqdefault

Erros mais comuns: como não usar rótulos de falas e marcadores de ação

Não prejudique a graciosidade dos diálogos dos seus personagens com erros de pontuação ou estilo. ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Menu Title