Home / Ficção / 5 Dilemas Morais que Fazem seus Personagens (e Histórias) Melhores

5 Dilemas Morais que Fazem seus Personagens (e Histórias) Melhores

Os leitores não resistem a virar as páginas quando os personagens estão enfrentando escolhas difíceis. Use essas 5 soluções para tecer dilemas morais em suas histórias – e ver sua ficção subindo a novos patamares.


1 – Dê a seus personagem desejos conflitantes.

Antes de nossos personagens poderem enfrentar decisões morais difíceis, precisamos dar-lhes crenças importantes: O assassino que tem o seu próprio código moral de não prejudicar as mulheres ou crianças, o missionário que preferia morrer a renunciar à sua fé, o pai que sacrificaria tudo para pagar o resgate e salvar a sua filha.

Um personagem sem uma atitude, sem uma espinha, sem convicções, é aquele pelo qual vai ser difícil para os leitores torcerem, e fácil para eles esquecerem.

Assim, para criar um personagem intrigante, enfrentando escolhas significativas e difíceis, dê-lhe duas convicções igualmente fortes, que podem ser colocados em oposição uma ao outra.

Por exemplo: Uma mulher quer (1) a paz em sua casa, e (2) a abertura entre ela e seu marido. Então, quando ela começa a suspeitar que ele a está traindo, ela vai lutar para tentar decidir se deve ou não confrontá-lo sobre isso. Se ela só quisesse a paz que ela poderia ignorar o problema; se ela só quisesse a abertura ela iria confrontá-lo, independentemente dos resultados. Mas seus desejos em conflito não vão permitir uma solução tão simples.

Isso cria uma tensão.

E a tensão leva a história para a frente.

Então, encontre duas coisas as quais seu personagem é dedicado e depois faça-o escolher entre elas. Procure maneiras de usar seus dois desejos para forçá-lo a fazer algo que ele não quer fazer.

Por exemplo, a filha de um pastor menonita é morta por um motorista bêbado. Quando o homem é libertado por uma questão técnica, será que o ministro irá perdoá-lo? Ou ele fará justiça com as próprias mãos? Neste caso, as suas (1) crenças pacifistas estão em conflito com o seu (2) desejo de justiça. O que ele faz?

Boa pergunta.

Boa tensão.

Bom drama.

Outro exemplo: O protagonista acredita (1) que as culturas devem ser autorizadas a definir as suas próprias moralidades subjetivas, mas também (2) que as mulheres devem ser tratadas com a mesma dignidade e respeito que os homens. Ele não pode suportar a ideia de mulheres que estão sendo oprimidas pelas culturas de alguns países, mas ele também sente que é errado impor seus valores em outra pessoa. Quando ele é transplantado para um desses países, então, o que ele faz?

Construa situações em que as convicções, igualmente fortes, do seu personagem estão em oposição, e você vai criar ocasiões de escolhas morais espinhosos.


2 – Coloque as convicções de seu personagem em teste.

Não costumamos pensar desta forma, mas em um sentido muito real, para subornar alguém, se paga para ele ir contra suas crenças; extorquir alguém é ameaçá-lo, a menos que ele vá contra elas.

Por exemplo:

– Quanto você teria que pagar a um ativista vegan pelos direitos dos animais para comer um bife (suborno)? Ou, como é que você precisa para ameaçá-lo, a fim de coagi-lo a fazê-lo (extorsão)?
– Qual seria o custo para convencer um casal amoroso e dedicado a nunca mais se verem (suborno)? Ou, como é que você precisa ameaçá-los para levá-los a fazê-lo (extorsão)?
– O que você precisa pagar uma adolescente católica grávida para convencê-la a fazer um aborto (suborno)? Que ameaça você poderia usar para levá-la a fazê-lo (extorsão)?

Procure maneiras de subornar e extorquir seus personagens. Não será fácil. Como escritores, às vezes, nos preocupamos tanto com nossos personagens, que nós não queremos que eles sofram. Como resultado, você pode se coibir de colocá-los em situações difíceis.

Adivinhem?

Isso é exatamente o oposto do que precisa acontecer para que a nossa ficção seja atraente.

Qual é a pior coisa que você pode pensar acontecendo com o seu personagem, contextualmente, dentro dessa história? Agora, desafie-se a tentar pensar em outra coisa,
tão ruim quanto, e force o seu personagem a se decidir entre os dois.

Mergulhe nas profundezas da condenação do seu personagem, perguntando: “Até que ponto ele/ela irá para …?” E “O que seria necessário para …?”

(1) Até onde irá Frank para proteger a quem ama?

(2) O que seria necessário para ele ficar parado e ver o que ele ama morrer, quando ele tem o poder de salvá-lo?

(1) Até onde irá Angie para encontrar a liberdade?

(2) O que seria necessário para ela escolher ser enterrada viva?

(1) Até onde vai o Detective Rodriguez em busca da justiça?

(2) O que seria necessário para ele cometer perjúrio e enviar que uma pessoa inocente seja condenada ao corredor da morte?

Pergunte-se: No que é que a minha personagem acredita? Que prioridades ela tem? Em seguida, coloque suas convicções em um teste final para fazer seus verdadeiros desejos e prioridades virem à superfície.


3 – Force seu personagem em um canto.

Não lhe dê uma saída fácil. Não lhe dê qualquer espaço de manobra. Force-o a fazer uma escolha, a agir. Ele não pode abster-se. Leve-o através do processo de dilema, escolha, ação e conseqüência:

(1) Algo que importa deve estar em jogo.

(2) Não há uma solução fácil, não há saída fácil.

(3) Seu personagem precisa fazer uma escolha. Ele deve agir.

(4) Essa escolha aprofunda a tensão e impulsiona a história adiante.

(5) O personagem deve viver com as conseqüências de suas decisões e ações.

Se há uma solução fácil não há um verdadeiro dilema moral. Não faça uma das escolhas “o menor de dois males” – afinal, se um é menor, ele toma a decisão mais fácil.

Por exemplo, digamos que você tenha forçado o seu personagem a escolher entre honrar obrigações iguais. Ele pode ficar preso entre a lealdade a duas partes, ou, talvez, ser dividido entre suas obrigações familiares e suas responsabilidades de trabalho. Agora, levante as estacas – seu casamento está em risco e também o seu emprego, mas ele não pode salvar a ambos. O que ele faz?

Quanto mais iminente você fizer a escolha e quanto maior o desafio que a decisão carrega, mais nítida a tensão dramática e maior o envolvimento emocional dos seus leitores. Para conseguir isso, pergunte: “E se?”, e as perguntas naturalmente seguirão:

• E se ela sabe que estar com o homem que ama vai levá-lo a perder a sua carreira? Quanto da felicidade do seu amante ela estaria disposta a sacrificar para estar com ele?

• O que acontece se um advogado encontra-se a defender alguém que ele sabe que é culpado? O que ele faz? E se essa pessoa é seu melhor amigo?

• E se o seu personagem tem que escolher entre se matar ou ser forçado a assistir a um amigo morrer?

Mais uma vez, faça o seu personagem reavaliar suas crenças, questionar seus pressupostos e justificar suas escolhas. Pergunte a si mesmo: Como é que ele vai sair dessa? Do que ele vai ter que desistir (algo precioso) ou tomar para si (algo doloroso) no processo?

Explore essas ladeiras escorregadias. Aprofunde-se nessas áreas cinzentas. Evite perguntas que provocam uma resposta sim ou não, tais como: “Matar inocentes pode ser justificado?”. Em vez disso, enquadre a questão de uma forma que obrigue a aprofundar as coisas: “Quando matar inocentes pode ser justificado?”. Ao invés de, “O fim justifica os meios?” pergunte: “Quando é que o fim justifica os meios?”.


4 – Deixe os dilemas crescerem a partir do gênero.
Examine o seu gênero e deixe-o influenciar as escolhas que seu personagem deve enfrentar. Por exemplo, histórias de crimes, naturalmente, se prestam a explorar questões de justiça e injustiça: Em que ponto vingança e justiça convergem? O que de significativo elas exigem deste personagem? Quando a justiça é realmente injustiça?

Histórias de amor, romance e relacionamento freqüentemente lidam com temas de fidelidade e traição: O que é melhor, esconder a verdade ou compartilhá-lo? Quão longe você pode sombrear a verdade antes que se torne uma mentira? Quando você deve dizer a alguém um segredo que irá machucá-lo? Por exemplo, sua protagonista, uma jovem noiva, tem um caso de uma noite. Ela se sente terrível, porque ela ama seu noivo, mas ela deve contar o que aconteceu e magoá-lo, talvez perdê-lo, ou manter a verdade escondida?

Fantasia, mito e ficção científica são bons locais para explorar questões de consciência, humanidade e moralidade: Quão consciente algo precisa ser (um animal, um computador, um feto) antes de lhe ser concedido os mesmos direitos que um humano totalmente desenvolvido? Em que ponto a destruição de uma inteligência artificial se tornar crime? Nós realmente temos livre arbítrio ou são nossas escolhas determinadas por nossa composição genética e estímulos ambientais?


5 – Procure a Terceira Via.

Você quer que seus leitores pensem “eu não tenho nenhuma ideia de como ele vai sair disso”. E então, quando eles vêem como as coisas acontecem, você quer que eles fiquem satisfeitos.

Há uma história na Bíblia sobre uma vez que líderes religiosos pegaram uma mulher cometendo adultério e a levaram até Jesus. Naqueles dias, naquela cultura, o adultério era uma ofensa que era punível com a morte. Os homens perguntaram a Jesus o que deveriam fazer com a mulher. Agora, se Jesus lhes tivesse dito para simplesmente deixá-la ir livre, ele teria sido contrário à lei; se, porém, dissesse para matá-la, ele teria prejudicado a sua mensagem de “perdão e misericórdia.”

Parecia uma boa armadilha, até que ele disse: “Quem estiver sem pecado entre vós, atire a primeira pedra.”

Muito bem feito.

Eu chamo isso de encontrar a Terceira Via. É uma solução que seja consistente com as atitudes, crenças e prioridades do personagem, além de ser lógico e surpreendente.

Queremos que as soluções de nossos heróis sejam inesperadas e inevitáveis.

Apresente um enigma aparentemente impossível.

E, em seguida, ajude-os a encontrar a Terceira Via de saída.


Traduzido de “Writer’s Digest”

Compartilhe!
Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Sobre Carolina

Carolina
Apaixonada por livros, estudante de Letras e escritora em treinamento.

Check Also

hqdefault

Erros mais comuns: como não usar rótulos de falas e marcadores de ação

Não prejudique a graciosidade dos diálogos dos seus personagens com erros de pontuação ou estilo. ...

Um comentário

  1. Appreciation to my father who stated to me on the
    topic of this weblog, this weblog is truly awesome.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Menu Title